Bioeletricidade impulsiona mercado e incrementa receita da Cerradinho Bioenergia

Ao longo da última década, o consumo de energia no Brasil foi ampliado em mais de um terço, fato que coloca o país como o 9º maior consumidor no mundo. De acordo com especialistas, nos próximos 15 anos, haverá um aumento adicional de até 50% nesta demanda. Mas em tempos de escassez de chuvas, onde o nível dos reservatórios de muitas hidrelétricas brasileiras está abaixo do normal, este panorama se torna uma preocupação. Uma alternativa sustentável e economicamente viável para enfrentar esse cenário é a utilização da biomassa da cana-de-açúcar para incrementar a matriz energética através da cogeração. Em Chapadão do Céu, sudoeste de Goiás, a Cerradinho Bioenergia (CerradinhoBio), usina com capacidade para moer 4 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por safra, tem conseguido incrementar o caixa através dos bons resultados a partir da produção de bioeletricidade.

Na safra 2013/14, a caldeira começou a funcionar, após a manutenção da entressafra, com antecipação de 15 dias para alavancar a produção de energia. De acordo com a empresa, a meta inicial já foi superada em 8% – dos 190 mil MWh previstos na safra 2013/14, foram produzidos 205 mil MWh. E a produção excedente foi negociada a preços até quatro vezes maiores do que os normalmente pagos no mercado regulado através de leilões da Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel.

Atualmente, cerca de 80% da eletricidade exportada está comprometida em contratos de longo prazo no mercado regulado – a um preço médio de R$ 200,00 o MWh, em valores do início de 2014. O excedente foi negociado no mercado à vista, cujo preço médio – ao longo da última safra – atingiu um patamar 75% maior, R$ 350,00 o MWh. “Esse preço médio do spot foi puxado pelas vendas a preços recordes no fim da safra 2013/14”, explica Gustavo de Marchi, diretor da empresa.

O saldo foi um incremento de receita significativo que deverá ser reinvestido no parque industrial. “Pretendemos focar os investimentos da Companhia no aumento da cogeração que tem contribuído positivamente para o resultado”, completa o presidente da CerradinhoBio, Luciano Sanches Fernandes. De acordo com a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), a participação da biomassa de cana na matriz energética brasileira vem aumentando de forma significativa; no ano passado, 15,067 mil GW/h de energia elétrica produzida a partir de biomassa foram exportadas para o sistema elétrico nacional. Esse volume representou 3,3% do consumo nacional de eletricidade. Em 2012, essa participação foi de 2,9%.

Cerradinho

Deixe um comentário