Mais de 60% da cana processada na segunda quinzena de setembro é destinada à produção de etanol

 cana-colheita1O volume processado de cana-de-açúcar pelas unidades produtoras da região Centro-Sul somou 28,82 milhões de toneladas na segunda quinzena de setembro de 2014. Esse volume, o menor registrado numa segunda quinzena de setembro das últimas quatro safras, é 27,83% inferior aos 39,93 milhões de toneladas moídas na quinzena anterior e representa um recuo de 15,40% sobre o valor observado no mesmo período de 2013 (34,07 milhões de toneladas).

 No acumulado mensal, a moagem caiu 10,9% em setembro comparativamente ao mesmo mês do último ano, para um total de 68,76 milhões de toneladas processadas.

 “Essa redução na moagem quinzenal é resultado das chuvas que atingiram importantes regiões canavieiras ao final de setembro, prejudicando a operacionalização da colheita”, explicou o diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Antonio de Padua Rodrigues.

 De fato, as usinas paranaenses, por exemplo, registraram a perda de aproximadamente sete dias de moagem na segunda metade do mês. Nos Estados do Mato Grosso do Sul e São Paulo este índice atingiu em média 5,6 dias e 5,1 dias perdidos, respectivamente.

 A menor oferta de matéria-prima para processamento, resultante da intensa seca, também tem acelerado o término antecipado da safra. Até o momento, dez usinas já encerraram a safra 2014/2015 na região Centro-Sul (uma empresa no Espírito Santo, duas em Minas Gerais e sete unidades em São Paulo), enquanto apenas duas finalizaram suas operações em igual período de 2013. Adicionalmente, uma usina iniciou a safra recentemente.

 A produtividade agrícola diminuiu cerca de 9% nos canaviais colhidos na região Centro-Sul em setembro comparativamente ao mesmo mês do último ano, segundo dados preliminares do Centro de Tecnologia Canavieiro (CTC). No Estado de São Paulo, esta quebra agrícola mensal supera 15%.

 No acumulado desde o início da atual safra até 1º de outubro, o volume processado de cana-de-açúcar alcançou 441,54 milhões de toneladas, praticamente a mesma quantidade verificada em igual data de 2013 (442,61 milhões de toneladas).

Contudo, a produção acumulada de açúcar diminuiu 1,05% neste período, somando 25,08 milhões de toneladas. Já o volume fabricado de etanol aumentou 4,24%, para 19,68 bilhões de litros (11,29 bilhões de litros de etanol hidratado e 8,39 bilhões de litros de etanol anidro).

“Estes valores confirmam a estimativa para a safra 2014/2015 divulgada em agosto pela UNICA e mostram também a perspectiva de forte redução na produção de açúcar para os próximos meses”, comentou o executivo.

 Os números quinzenais reforçam maciçamente esta expectativa. Nos últimos 15 dias de setembro, a proporção de matéria-prima direcionada à fabricação de açúcar alcançou 39,19%.

 “Este percentual é o menor registrado para esta quinzena dentre as últimas 10 safras”, destacou Rodrigues. De fato, o mix de 39,19% em prol da fabricação de açúcar é muito inferior, por exemplo, aos 43,96% contabilizados na quinzena anterior e aos 46,90% verificados na mesma data de 2013 – queda de quase oito pontos percentuais.

 Com isso, a produção de açúcar somou apenas 1,64 milhão de toneladas na última quinzena de setembro, contra 2,3 milhões de toneladas observadas no mesmo período da safra 2013/2014 – queda de 28,84%. No comparativo com o resultado dos primeiros 15 dias do mês (2,51 milhões de toneladas) a retração é ainda mais expressiva, atingindo quase um milhão de toneladas (34,59%).

 Já a produção de etanol totalizou 1,57 bilhão de litros na última metade de setembro, frente a 1,6 bilhão de litros contabilizados na mesma quinzena do ano passado. Deste volume, 635,06 milhões de litros referem-se ao etanol anidro e 932,29 milhões de litros ao etanol hidratado (alta de 4,68%, figurando novamente como o único produto dentre os derivados da cana a apresentar uma maior produção quinzenal no comparativo com o resultado da safra passada).

 Portanto, comparando-se os valores apurados nos últimos 15 dias de setembro em relação aos registrados no mesmo período de 2013, a produção de açúcar apresentou a maior queda (28,84%). Por sua vez, neste mesmo período a moagem e o volume produzido de etanol diminuíram em menor magnitude (15,40% e 2,18%, respectivamente).

 Qualidade da matéria-prima

A concentração de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de cana-de-açúcar processada alcançou 152,34 kg na segunda quinzena de setembro, crescimento sobre os 151,33 kg observados na mesma data de 2013.

 Contudo, este valor quinzenal deve ser analisado com cuidado, isso porque o cálculo deste indicador de ATR, chamado “ATR produto”, se dá a partir do volume de cana processada e das produções de etanol e de açúcar, tomando-se certas premissas relativas às perdas industriais e às eficiências de fermentação e de destilação. Diante desta metodologia de cálculo e considerando que muitas unidades paralisaram a moagem no decorrer da segunda quinzena de setembro, houve um descompasso entre a quantidade de matéria-prima moída e o respectivo montante de produtos fabricados. Especificamente, este montante de produtos (etanol e açúcar) em fabricação não obteve sua respectiva contrapartida em cana-de-açúcar já moída.

 No acumulado desde abril, o teor de ATR por tonelada de matéria-prima totalizou 135,62 kg, contra 132,93 kg por tonelada, se comparado ao mesmo período de 2013.

Vendas de etanol

O volume de etanol comercializado pelas unidades produtoras da região Centro-Sul alcançou 2,09 bilhões de litros em setembro de 2014, aquém dos 2,25 bilhões de litros contabilizados no mesmo mês do ano anterior. Esta redução resulta do forte recuo nas exportações – que totalizaram apenas 97,68 milhões de litros – já que as vendas ao mercado doméstico aumentaram 2,43%, para 1,99 bilhão de litros comercializados.

 Deste volume destinado ao mercado interno, 1,15 bilhão de litros refere-se ao etanol hidratado, contra 1,17 bilhão de litros observados em setembro do último ano.  Neste mesmo período, as vendas domésticas de etanol anidro cresceram 8,98%, totalizando 837,76 milhões de litros – dos quais 414,80 milhões de litros vendidos na segunda quinzena do mês.

 Entre abril e setembro, as vendas acumuladas de etanol atingiram 12,07 bilhões de litros (6,74 bilhões de litros de etanol hidratado e 5,33 bilhões de litros de etanol anidro), recuo de 9,14% sobre o mesmo período da safra 2013/2014. Deste montante, 11,33 bilhões de litros destinaram-se ao mercado interno e somente 740,57 milhões de litros à exportação.

 Sobre os dados de safra

Os dados divulgados nesta atualização de safra são compilados e analisados pela UNICA, com números fornecidos pelos seguintes sindicatos e associações de produtores da Região Centro-Sul:

ALCOPAR – Associação dos Produtores de Bioenergia no Estado do Paraná

BIOSUL – Associação dos Produtores de Bioenergia do Mato Grosso do Sul

SIAMIG – Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais

SIFAEG – Sindicato da Indústria de Fabricação de Etanol do Estado de Goiás

SINDAAF – Sindicato Fluminense dos Produtores de Açúcar e Etanol

SINDALCOOL – Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras de Mato Grosso SUDES – Sociedade das Usinas e Destilarias do Espírito Santo   UNICA