Warning: session_start(): open(/var/lib/php71/session/sess_6fcb2574a9e589f10305bc305e8bbadc, O_RDWR) failed: Permission denied (13) in /home/storage/d/73/6a/sifaeg1/public_html/wp-content/themes/yoo_revista_wp/warp/systems/wordpress/helpers/config.php on line 48

Warning: session_start(): Failed to read session data: files (path: /var/lib/php71/session) in /home/storage/d/73/6a/sifaeg1/public_html/wp-content/themes/yoo_revista_wp/warp/systems/wordpress/helpers/config.php on line 48
Raízen inicia produção de etanol de 2ª geração | Sifaeg

Raízen inicia produção de etanol de 2ª geração

Written by Depto. Tecnologia on . Posted in Informe SIFAEG, xTimeLine

A Raízen iniciou, no dia 29 de novembro, a produção em escala industrial do etanol celulósico a partir do processamento do bagaço e da palha de cana-de-açúcar. O chamado etanol de segunda geração (2G) é produzido na planta industrial anexa à Usina Costa Pinto, em Piracicaba (SP), uma das 24 unidades da maior companhia sucroalcooleira do País, joint-venture entre o Grupo Cosan e a Shell.

Segundo o vice-presidente executivo da Raízen, Pedro Mizutani, a unidade será inaugurada oficialmente apenas em março de 2015, mas o combustível produzido na unidade já é comercializado em postos. “A escala ainda é pequena”, disse. A usina de etanol 2G da Raízen tem capacidade de produção de 40 milhões de litros por safra, o que deve aumentar em 50% a oferta da usina, que produz 80 milhões de litros anualmente de etanol de cana.

Na primeira safra completa, a 2015/2016, a usina deve produzir dois terços da capacidade total, ou seja, aproximadamente 26,7 milhões de litros. A unidade custou R$ 230 milhões, e outras oito plantas industriais de etanol 2G estão nos planos da Raízen no futuro, para a produção de até 1 bilhão de litros por safra do combustível a partir da celulose de bagaço e palha de cana.

Mizutani explicou que um problema de logística atrasou os planos da Raízen de iniciar a produção do etanol em meados de novembro. Segundo ele, uma máquina de pré-tratamento importada do Canadá precisou ser trazida por avião, porque uma “janela” de abertura do Canal do Panamá, para a importação por via marítima, foi perdida. “Só essa operação gerou um custo de R$ 1 milhão a mais na operação”, disse.

Ainda segundo o executivo, a meta para o futuro é reduzir os custos de produção do etanol 2G, hoje de quatro a cinco vezes superior ao etanol de cana, principalmente pelo valor das enzimas utilizadas no processo. “Com o tempo e com o aprendizado os custos serão reduzidos”, concluiu Mizutani, que participou do Simpósio de Agronegócio e Gestão, em Piracicaba.

 Fonte: Estadão Conteúdo-Texto extraído do Portal Globo Rural

Depto. Tecnologia

teste