Warning: session_start(): open(/var/lib/php71/session/sess_95cc5b16448962a55aa259c12b894e1d, O_RDWR) failed: Permission denied (13) in /home/storage/d/73/6a/sifaeg1/public_html/wp-content/themes/yoo_revista_wp/warp/systems/wordpress/helpers/config.php on line 48

Warning: session_start(): Failed to read session data: files (path: /var/lib/php71/session) in /home/storage/d/73/6a/sifaeg1/public_html/wp-content/themes/yoo_revista_wp/warp/systems/wordpress/helpers/config.php on line 48
Região Centro-Oeste tem a maior proporção de renováveis na Matriz Energética | Sifaeg

Região Centro-Oeste tem a maior proporção de renováveis na Matriz Energética

Written by Depto. Tecnologia on . Posted in Informe SIFAEG, xTimeLine

Entre as cinco regiões do Brasil, o Centro-Oeste é o território com mais fontes renováveis em sua matriz energética, com 58% do seu total, considerando dados verificados em 2015. Na divisão por setor, o sucroalcooleiro foi o grande responsável pelo índice, ocupando 33% da matriz energética, seguido de lenha e outras bioenergias (15,9%) e da fonte hidráulica (9%).  Os indicadores constam no documento “Matrizes Energéticas Estaduais, ano de referência 2015”, elaborado pela Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério.

A região Sul ocupa o segundo lugar do ranking, nacional com 40,7%. Na sequência estão Sudeste (40,5%), Norte (38,7%) e Nordeste (36,5%).

Quanto ao comércio externo de energia, também em 2015, apenas a região Sudeste apresentou superávit global de energia, de 21% das suas necessidades. O Sul apresentou déficit de 43,5%, o Nordeste de 43,3%, o Norte de 26,1%, e o Centro-Oeste de 24,6%. Já em termos de suprimento de energia elétrica, o Norte apresentou o maior superávit em energia elétrica, de 85%, seguido do Sul (73%), e do Centro-Oeste (43%). Sudeste (48%) e Nordeste (15%) apresentaram déficits das suas necessidades.

Matrizes Energéticas Estaduais, ano de referência 2015

O documento abrange informações de energia das cinco regiões geográficas e dos 27   estados brasileiros, destacando as matrizes de produção primária, de comércio externo, de oferta interna, de emissões de dióxido de carbono, da indústria de energia, e do consumo final por setor econômico. Adicionalmente, são destacados indicadores de consumo per capita,  de comércio externo, de participação de fontes  renováveis,  de  ranking  estadual e regional e de participação relativa sobre o Brasil.

Confira o documento:

http://www.mme.gov.br/documents/1138787/4229117/Fluxos+OIE+UF+2015.pdf/ab41acdc-0c79-4edb-a977-d8fa5efdddb9

Ministério Minas e Energia

Região Centro-Oeste tem a maior proporção de renováveis na Matriz Energética

Entre as cinco regiões do Brasil, o Centro-Oeste é o território com mais fontes renováveis em sua matriz energética, com 58% do seu total, considerando dados verificados em 2015. Na divisão por setor, o sucroalcooleiro foi o grande responsável pelo índice, ocupando 33% da matriz energética, seguido de lenha e outras bioenergias (15,9%) e da fonte hidráulica (9%).  Os indicadores constam no documento “Matrizes Energéticas Estaduais, ano de referência 2015”, elaborado pela Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério.

A região Sul ocupa o segundo lugar do ranking, nacional com 40,7%. Na sequência estão Sudeste (40,5%), Norte (38,7%) e Nordeste (36,5%).

Quanto ao comércio externo de energia, também em 2015, apenas a região Sudeste apresentou superávit global de energia, de 21% das suas necessidades. O Sul apresentou déficit de 43,5%, o Nordeste de 43,3%, o Norte de 26,1%, e o Centro-Oeste de 24,6%. Já em termos de suprimento de energia elétrica, o Norte apresentou o maior superávit em energia elétrica, de 85%, seguido do Sul (73%), e do Centro-Oeste (43%). Sudeste (48%) e Nordeste (15%) apresentaram déficits das suas necessidades.

Matrizes Energéticas Estaduais, ano de referência 2015

O documento abrange informações de energia das cinco regiões geográficas e dos 27   estados brasileiros, destacando as matrizes de produção primária, de comércio externo, de oferta interna, de emissões de dióxido de carbono, da indústria de energia, e do consumo final por setor econômico. Adicionalmente, são destacados indicadores de consumo per capita,  de comércio externo, de participação de fontes  renováveis,  de  ranking  estadual e regional e de participação relativa sobre o Brasil.

Confira o documento:

http://www.mme.gov.br/documents/1138787/4229117/Fluxos+OIE+UF+2015.pdf/ab41acdc-0c79-4edb-a977-d8fa5efdddb9

  Ministério Minas e Energia

Depto. Tecnologia

teste