SEMINÁRIO: O FUTURO DO ETANOL NA ROTA 2030

Local: CNI | SBN Quadra 1, Bloco C, Edifício Roberto Simonsen | Subsolo 2 | Brasília – DF | CEP 70040-903 DATA: 31/10/2017 HORA: 14h – 18h   Com a perspectiva iminente de um novo regime automotivo nacional, que vem sendo chamado “Rota 2030”, alguns temas vêm ganhando destaque, como eficiência energética, novas tecnologias de motorização, segurança veicular e o desenvolvimento da cadeia produtiva. O veículo elétrico vem ganhando espaço no desenho do novo regime, o que é importante, pois tudo indica que esse será o padrão nas próximas décadas. É necessário, contudo, que isso não se dê em detrimento do etanol, alternativa eficaz, comercialmente viável e muito competitiva do ponto de vista ambiental com as demais opções existentes. A cadeia produtiva construída em torno do motor a etanol, que inclui o desenvolvimento de tecnologias de plantio e produção, toda a cadeia de autopeças e o desenvolvimento de motores, é um ativo construído pelo Brasil ao longo de décadas, com muito investimento das empresas e do Estado. É fundamental que a Rota 2030 incorpore uma estratégia que inclua o etanol entre as rotas tecnológicas apoiadas. O objetivo do seminário é discutir a incorporação do etanol na estratégia da Rota 2030 e como o regime pode estimular novos avanços tecnológicos que garantam a competitividade do veículo movido a etanol no contexto das novas tecnologias de propulsão. PROGRAMAÇÃO   14h: Abertura •             Robson Braga de Andrade – Presidente da CNI •             Glauco José Côrte – Presidente da FIESC •             José Carlos Lyra de Andrade – Presidente da FIEA •             Marcos Pereira – Ministro do MDIC •             Fernando Coelho Filho – Ministro do MME •             Paulo Rabello de Castro – Presidente do BNDES •             Antonio Carlos Botelho Megale – Presidente da Anfavea •             Dan Ioschpe – Presidente do Sindipeças •             André Rocha – Fórum Nacional Sucroenergético   14h30 – 16h: Sessão I Do Pró-Álcool ao carro Flex: o desenvolvimento da tecnologia bicombustível e seu impacto na economia brasileira   A sessão contará com participantes de entidades do governo e do setor produtivo que abordarão tópicos sobre o histórico das políticas públicas ligadas ao etanol, sobre as oportunidades e obstáculos gerados para o país no agronegócio, nos setores usineiro e automotivo, e também sobre os desenvolvimentos tecnológicos realizados em função do etanol no país.   14h30: Abertura (Kick-off) •             Plinio Nastari – Presidente Datagro 14h50: Debate •             Claudia Pimentel Prates – Diretora da Área de Indústria e Serviços e da Área de Indústrias de Base do BNDES •             Rogério Cezar de Cerqueira Leite – Diretoria-Geral do CNPEM •             Elizabeth Farina – Diretora presidente da Única •             Antonio Carlos Botelho Megale – Presidente da Anfavea •             Pedro Robério Nogueira – Presidente do Sindaçúcar-AL e vice-presidente do Coagro/CNI 16h – 17h50: Sessão II Oportunidades para o Brasil – uma agenda para o etanol   A sessão abordará tópicos sobre as oportunidades para a cadeia produtiva do setor automotivo brasileiro nos próximos anos. As questões centrais tratarão das potencialidades do etanol para veículos automotivos, e a ascensão dos motores elétrico e híbrido nos mercados brasileiro e internacional. Além disso, pretende-se debater sobre os potenciais mecanismos de apoio a novos desenvolvimentos do etanol e ao carro elétrico no âmbito da Rota 2030.   16h: Abertura (Kick-off) •             Besaliel Botelho – Presidente da Robert Bosch América Latina   16h20: Debates •             Igor Calvet – Secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial/MDIC •             Márcio Félix Carvalho Bezerra – Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis/MME •             Antonio Carlos Botelho Megale – Presidente da Anfavea •             Dan Ioschpe – Presidente do Sindipeças   17h50: Encerramento   CNI